Plantas medicinais e fitoterapia no SUS em Itapeva/SP: integrando saberes e conhecimentos para o cuidado em saúde

Campolim Moraes, F;
Jesus, P G d;
Chechetto , F;
Machado, , V. F. S.

Francine Campolim Moraes

Secretaria Municipal de Saúde de Itapeva, Av. Vaticano, 1249, Jardim Europa, CEP 18406-380, Itapeva, SP, Brasil.

http://lattes.cnpq.br/8680378587895798. Graduação em Farmácia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa e Especialização em Gestão de Redes de Atenção em Saúde pela Escola Nacional de Saúde Pública. Atualmente atua como Farmacêutica da Prefeitura Municipal de Itapeva na Coordenação do Programa Municipal de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e na Coordenação do Programa Municipal de Tabagismo. Docente do Curso de Farmácia da FAIT Itapeva nas disciplinas de Farmacognosia e Fitoterápicos e Farmacotécnica Homeopática. Tem experiência na área de Farmácia, com ênfase em Plantas Medicinais e Fitoterapia, Práticas Integrativas, Saúde Pública, Educação em Saúde e Atenção Primária.

Patrícia Galvão de Jesus

Secretaria Municipal de Saúde de Itapeva, Av. Vaticano, 1249, Jardim Europa, CEP 18406-380, Itapeva, SP, Brasil.

Possui graduação em Farmácia Industrial pela Universidade Sao Judas Tadeu (2005) e Especialização em Farmácia Clínica pela Universidade Israelita da Saúde (2006). Atualmente é farmacêutica do Hospital Israelita Albert Einstein.

Fátima Chechetto

Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva (FAIT), Sociedade Cultural e Educacional de Itapeva, Rodovia Francisco Alves Negrão, km 285, Bairro Pilão D'água, CEP 18412-000, Itapeva, SP, Brasil.

Possui graduação em Agronomia pela Universidade Federal de Santa Catarina (1986). Mestrado em Saúde Coletiva pela Universidade do Sul de Santa Catarina (Maio/2003) e doutorado pela Universidade Estadual Paulista em Agronomia - Horticultura - Faculdade de Ciências Agronômicas - Campus Botucatu em co-tutela com o Instituto Universitário de Investigación en Gestión Forestal Sostenible - Doctorado en Conservación y Uso Sostenible de Sistemas Forestales da Universidad de Valladolid, tendo particicipado do Programa de Estágio de Doutorando no Exterior- PDEE - na Cátedra de Estudios de Género - Escuela de Educación de Palencia y Instituto Universitario de Investigación em Gestión Forestal Sostenible - UVA - Espanha. Foi Coordenadora da Câmara Setorial de Plantas Medicinais - Conselho de Desenvolvimento Rural - Secretaria de Estado da Agricultura e Desenvolvimento Rural- Santa Catarina (2000-2004 e 2006-2008). Coordenadora da Associação Catarinense de Plantas Medicinais (1999-2001 e 2001-2004. Vice-coordenadora da Associação Catarinense de Plantas Medicinais ( 2004-2006 e 2006-2010).Atua com ensino, pesquisa e extensão na Faculdade de Ciências Agrárias e Sociais de Itapeva-SP nos Cursos de Agronomia, Engenharia, Florestal, Farmácia e Enfermagem, desde fevereiro de 2014. Foi docente no Curso de Farmácia do Centro Universitário Barriga Verde (2007-2008). Atuou como professora e pesquisadora da Universidade do Sul de Santa Catarina (1989-2006), nos Cursos de Engenharia Química, Agronomia e Farmácia. Atuou junto ao Ministério da Saúde como participante do Grupo de Fitoterapia para a Construção da Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS ( 2003-2004), aprovada pela Portaria 971 maio/2006. Tem experiência na área de Agronomia com ênfase em Desenvolvimento Rural Sustentável, atuando principalmente nos seguintes temas: plantas medicinais, etnobotânica, cultivo, comunidades, desenvolvimento rural sustentável.

Vivian Ferrari Scaranello Machado

Faculdade de Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva (FAIT), Sociedade Cultural e Educacional de Itapeva, Rodovia Francisco Alves Negrão, km 285, Bairro Pilão D'água, CEP 18412-000, Itapeva, SP, Brasil.

Possui graduação em Farmácia pela Universidade Estadual de Ponta Grossa/PR (2003) e habilitação em Análises Clínicas UEPG (2004). Pós graduação em: Farmacologia Clínica ASSPE/SP (2007); Saúde Pública UNICSUL/SP (2009); Vigilância Sanitária FIOCRUZ (2009); Direito Sanitário UNB (2009); Gestão em Saúde UNESP (2011) e Mestrado em Ciências Farmacêuticas UNISO (2015) - linha de pesquisa Uso Racional de Medicamentos. Atua como Coordenadora do Curso de Farmácia e Docente da Faculdade Ciências Sociais e Agrárias de Itapeva (FAIT), nas disciplinas "Introdução às Ciências Farmacêuticas", "Comunicação e Humanização", "Deontologia, Legislação Sanitária e Profissional Farmacêutica", "Cuidado Farmacêutico", "Introdução à Farmacologia". Possui experiência como tutora no ensino à distância de Pós Graduação da EAD/FIOCRUZ (2012/2013) e Docente no Curso de Especialização - Pós Graduação lato sensu em Residência Multiprofissional em Saúde, pela UNISO (2016). Tem experiência na área de saúde pública, assistência farmacêutica com ênfase em ações judiciais e vigilância sanitária. Atua como membro da Comissão Técnica de Saúde da Seccional de Sorocaba do Conselho Regional de Farmácia do Estado de São Paulo.


Palavras-chave

Medicinal plants
Phytotherapy
Single Health System
Integrative practices
Plantas medicinais
Fitoterapia
Sistema Único de Saúde
Práticas integrativas

Resumo

O presente artigo tem como objetivo descrever e analisar o processo de implantação da fitoterapia no SUS em Itapeva-SP, no período de 2012 a 2020, e sua contribuição para geração, integração de conhecimentos e cuidado em saúde. O objetivo acima elencado foi concretizado a partir de Análise Documental com base no método de Sistematização de Práticas Sociais. Os resultados sugerem que o processo possibilitou a partir da integração intersetorial de parceiros em torno de dois projetos aprovados com recursos do Ministério da Saúde, em um primeiro momento, a geração e aplicação de conhecimentos através de pesquisa etnobotânica; identificação e cultivo de espécies medicinais; capacitação para agricultores; sensibilização de gestores, profissionais e população. Em um segundo momento, possibilitou ampliação e aprimoramento dos sistemas produtivos de base familiar, a partir dos conhecimentos tradicionais, promovendo o acesso aos medicamentos fitoterápicos e produto tradicional fitoterápico nos padrões técnicos e científicos de qualidade e segurança aos usuários locais.


Referências

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior. Fórum de competitividade da cadeia produtiva farmacêutica - 2003-2006: O desafio de prosseguir. Relatório Final. Brasília: Ministério da Saúde; 2007.
  2. Brasil. Ministério da Saúde. Decreto nº 5.813, de 22 de junho de 2006. Aprova a Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, 22 jun. 2006. [acesso em 29 out. 2019]. Disponível em: [Link].
  3. Guimarães J, Medeiros JC, Vieira LA. Programa fitoterápico Farmácia Viva no SUS-Betim Farmácia Viva in SUS/Betim – Phytotherapy program. Betim; Associação Brasileira de Fitoterapia – ABFit. [acesso em 01 nov. 2019]. Disponível em: [Link].
  4. Torres KR. Os arranjos produtivos locais (APL) no contexto da implementação da Política e do Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. 125 f. Rio de Janeiro; 2013. Dissertação de Mestrado [em Saúde Pública] Escola Nacional de Saúde Pública/Fiocruz. Rio de Janeiro. 2013.
  5. Antonio GD, Tesser CD, Moretti-Pires RO. Contribuições das plantas medicinais para o cuidado e a promoção da saúde na atenção primária. Rev Interface (Botucatu). 2013; 17(46): 615-633. ISSN 1807-5762. [CrossRef].
  6. Pinheiro R. Cuidado em Saúde. Dicionário da educação profissional em saúde. Ministério da Saúde, Fiocruz. Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio. 2009. Acesso em: 09 nov. 2019. Disponível em: URL: [Link].
  7. Brasil, Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção a Saúde. Departamento de Atenção Básica. Cadernos de Atenção Básica. Práticas Integrativas e Complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde; 2012.
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Gabinete do Ministro. Portaria n° 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União [da República Federativa do Brasil]. Brasília, 20 abr. 2010. Acesso em: 28 out. 2019. Disponível em: [Link].
  9. Brasil. Ministério da Saúde. Plantas medicinais e fitoterápicos: Projetos apoiados. Ministério da Saúde. Disponível em: [Link]. Acesso em: 01 nov. 2019.
  10. Brasil. Ministério da Saúde. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos: Série C. Projetos, Programas e Relatórios. Brasília, 2009. Acesso em: 25 out. 2019. Disponível em: [Link].
  11. Abreu LS, Bellons S, Torres TZ. Inovação em rede sociotécnica: um novo projeto social para agricultura familiar agroecológica? In: Sustentabilidade e responsabilidade social em foco. Belo Horizonte: Poisson. 2019; p.171-164.
  12. Ghiso A. Sistematización de experiencias en educación popular. In: Los Contextos actuales de la Educación Popular. Medellín: Memorias... Medellín; 2001. p. 71-88.
  13. Jara O. La sistematización de experiencias y las corrientes innovadoras del pensamiento latino-americano: una aproximación histórica. Rev La Piragua. 2006; (23): 16-7. Disponível em: [Link].
  14. Prefeitura Municipal de Itapeva. Lei n.º 3.782, de 23 de fevereiro de 2015. Dispõe sobre a criação do Programa Municipal de Práticas Integrativas e Complementares de Saúde – PMPICS e da Política Intersetorial de Plantas Medicinais, Aromáticas e Condimentares e de Medicamentos Fitoterápicos – PIPMACMF, no Município de Itapeva/SP. Imprensa Oficial [de Itapeva]. Itapeva, 02 mar. 2015; 707: 8-7. [acesso em: 10 nov. 2019]. Disponível em: [Link].
  15. Rosa C, Câmara SG, Béria JU. Representações e intenção de uso da Fitoterapia na atenção básica à saúde. Rev Ciên Saú Colet. 2011; 16 (1): 318-311. ISSN 1413-8123. [CrossRef].
  16. Projeto Consolidação do Arranjo Produtivo Local de Plantas medicinais. Itapeva (SP); Secretaria Municipal de Saúde de Itapeva, 2015.
  17. Chechetto F et al. Integração de conhecimentos em plantas medicinais na perspectiva de gênero e abordagem transdisciplinar em busca de sustentabilidade: a experiência do arranjo produtivo local de Itapeva. Rev Fitos, 2017; 126(Supl 1): 82-91.ISSN 2446-4775. Acesso em: 01 nov. 2019. Disponível em: [CrossRef] [Link].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2020 Revista Fitos