Autenticidade de amostras de Maytenus ilicifolia Mart. ex Reissek comercializadas em mercados de São Mateus, ES, Brasil

Ribeiro, F F;
Zottele, L;
Ribeiro, I F;
Oliveira, N S d;
Reis, T R;
Aoyama, E M;
Menezes, , L. F. T. d.

Fabiane Fonseca Ribeiro

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil

Bacharela e Licenciada em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo no campus do Centro Universitário Norte do Espírito Santo e desenvolve projetos na área de Morfologia e Anatomia Vegetal.

Livia Zottele

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (2014). Atualmente mestranda em Biodiversidade Tropical pela Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Anatomia Vegetal.

Izabela Ferreira Ribeiro

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas- Bacharelado (2014) e Pós Graduação em Biodiversidade tropical (2017) pela Universidade Federal do Espírito Santo. Tem experiência na área de Ecologia atuando principalmente com Biologia Reprodutiva de Bromeliaceae e experiência na área de Genética, atuando com Diversidade Genética. Entre abril de 2017 a fevereiro de 2018 trabalhou no projeto: Desenvolvimento de tecnologias para revegetação de áreas degradadas pela exploração e produção de petróleo e gás natural em ecossistemas do norte capixaba, como bolsista e desenvolveu o cargo de técnica do Herbário SAMES no Centro Universitário Norte do Espírito Santo. Atualmente é doutoranda do Programa de Pós-graduação em Ecologia e Recursos Naturais da Universidade Estadual do Norte Fluminense Darcy Ribeiro, desenvolvendo estudos sobre técnicas de revegetação em áreas de restinga no Norte do Espírito Santo. 

Natane Sartor de Oliveira

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil

Graduada em Ciências Biológicas Bacharelado pela Universidade Federal do Espírito Santo - UFES. Mestra em Biodiversidade Tropical pela mesma universidade

Thassyane Rios Reis

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Espírito Santo (2015). Tem experiência na área de Zoologia, com ênfase em Macrofauna Bentônica.

Elisa Mitsuko Aoyama

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade de Taubaté(1995), especialização em Ecologia pela Universidade de Taubaté(1999), mestrado em Ciências Biológicas (Biologia Vegetal) pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho(2002), doutorado em Biodiversidade Vegetal e Meio Ambiente pelo Instituto de Botânica(2010) e curso-tecnico-profissionalizantepelo Colégio Técnico de Tremembé(1990). Atualmente é Revisor de periódico da Hoehnea (São Paulo), Professor Adjunto I da Universidade Federal do Espírito Santo, Revisor de periódico da Magistra, Revisor de periódico da Rama : Revista em Agronegócio e Meio Ambiente, Revisor de periódico da Revista Biociências (Taubaté), Revisor de periódico da Natureza On Line (Espírito Santo), Revisor de periódico da Revista de Biologia Neotropical e Revisor de periódico da Ciência Rural (UFSM. Impresso). Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Morfologia Vegetal. Atuando principalmente nos seguintes temas:Bromeliaceae, germinação, anatomia foliar, produção, aclimatação.

Luis Fernando Tavares de Menezes

Universidade Federal do Espírito Santo(UFES), Centro Universitário Norte do Espírito Santo, Laboratório de Botânica Estrutural - DCAB/CEUNES, Rodovia BR 101 Norte, Km 60, CEP 29932-540, Litorâneo, São Mateus, ES, Brasil.

Possui graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1992), mestrado em Ciências Ambientais e Florestais pela Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro (1996), doutorado em Ecologia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2005) e Pós-doutorado pelas Universidade Federal do Rio de Janeiro e Estación Experimental de Zonas Áridas - Espanha (Bolsista CAPES). Atualmente é Professor Associado 2, atuando como docente na Universidade Federal do Espírito Santo. É professor permanente dos Programas de Pós Graduação em Biodiversidade Tropical e de Biologia Vegetal da UFES, orientando no Mestrado e Doutorado. Coordena o Laboratório de Ecologia de Restinga e Mata Atlântica e é curador do Herbário SAMES da Universidade Federal do Espírito Santo. É vice-diretor do Jardim Botânico Palmarum, no campus do Centro Universitário Norte do Espírito Santo (UFES). É sub-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal (UFES). É membro do comitê de pesquisa da Fundação de Amparo à Pesquisa do Espírito Santo e membro do Conselho editorial da EDUFES. Foi presidente da Diretoria Regional MG, BA, ES da Sociedade Botânica do Brasil (2016 - 2019). Coordenou o curso Pós-Graduação em Biodiversidade Tropical (Ecologia) de 2009 à 2012. Foi sub-coordenador do Programa de Pós-Graduação em Biologia Vegetal (2017 - 2018). Foi membro do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão da UFES. Tem experiência na área de Ecologia, com ênfase em Ecologia de Comunidade Vegetais, atuando principalmente nos seguintes temas: restinga, floresta atlântica, florística, estrutura de comunidades vegetais, ciclagem de nutrientes e facilitação.


Palavras-chave

Leaf anatomy
Atlantic Forest
Espinheira-santa
Phytotherapy
São Mateus-ES
Commercialization
Anatomia foliar
Mata Atlântica
Espinheira-santa
Fitoterapia
São Mateus-ES
Comercialização

Resumo

Maytenus ilicifolia (Celastraceae) é uma planta conhecida popularmente como “espinheira-santa”. A espécie é nativa da região sudeste do Brasil, se adapta melhor a climas quentes e é utilizada na medicina popular no tratamento de doenças estomacais. A fitoterapia, encontra-se em expansão no Brasil e no mundo e, devido a esta crescente busca e desordenada extração de plantas medicinais, muitos vendem espécies semelhantes como se fossem originais, comprometendo a real eficácia dos produtos utilizados. Nesse sentido, a comparação anatômica tem provado ser útil na diferenciação das espécies.  Assim, o presente estudo visa avaliar a autenticidade de espinheira-santa comercializada em mercados de ervas de São Mateus-ES, por meio da caracterização de comparação anatômica foliar de amostras de M. ilicifolia in situ e comercializada. Os resultados obtidos mostram que as estruturas anatômicas foliares de M. ilicifolia in situ, comparadas com as amostras da Casa Natural e do Mercado Municipal, diferem-se quanto à disposição dos feixes vasculares na nervura central, quanto ao formato do pecíolo e presença ou ausência de grupos de fibras isolados no córtex. Por fim, diante da avaliação das amostras, pode-se observar que o material comercializado em mercado de ervas, possivelmente não condiz com a espécie M. ilicifolia.


Referências

  1. Souza VC, Lorenzi H. Botânica Sistemática: guia ilustrado para identificação das famílias de fanerógamas nativas e exóticas no Brasil, baseado em APG III; 2012. 768p. ISBN: 9788586714399.
  2. Reflora. Celastraceae. In: Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Disponível em: [Link]. Acesso em: 22 out. 2020.
  3. CNIP - Centro Nordestino de Informações sobre plantas. 2014. Disponível em: [Link]. Acesso em: 11 abr. 2014.
  4. Carvalho-Okano RM, Leitão Filho HF. O gênero Maytenus Mol. emend. Mol. (Celastraceae) no Brasil extra-amazônico. In: Reis MS, Silva SR. Conservação e uso sustentável de Espinheira Santa. 2005; 1:11-51. Disponível em: [Link]. Acesso em: 12 abr. 2014.
  5. Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil - nativas e exóticas. 1ª ed. São Paulo: Instituto Plantarum. 2002; 20-122.
  6. Pereira MAS, Menezes Jr A, França SC, Vilegas JHY, Cordeiro PJM, Lanças FM. Effect of fertilization on morphologic characteristics and secondary metabolites of Maytenus aquifolium Mart. J Herbs Spices Med Plants. 1995; 3:43-50. [CrossRef].
  7. Cirio GM, Doni Filho L, Miguel MD, Miguel OG, Zanin SMW. Interrelação de parâmetros agronômicos e físicos de controle de qualidade de Maytenus ilicifolia Mart. ex. Reiss (Espinheira-santa) como insumo para a indústria farmacêutica. Vis Acad. 2003; 4(2): 67-76. [CrossRef].
  8. Lorenzi H, Matos FJA. Plantas medicinais no Brasil – nativas e exóticas. 2ª ed; 2002.
  9. Metcalfe CR, Chalk L. Anatomy of the Dicotyledons. Oxford, C1aredon Press. 1957; 1 (11).
  10. Aiquini Y, Takemori NK. Organização Estrutural de Espécies Vegetais de Interesse Farmacológico. Herbarium Laboratório Botânico; 2000.
  11. Costa RPC, Guimarães ALA, Vieira ACM. Avaliação da qualidade de amostras de plantas medicinais comercializadas no Brasil. Rev Ciênc Farm Bás Apl. 2014; 35(3): 425-433. [Link]. ISSN 1808-4532.
  12. Jacomassi E, Machado S. Características anatômicas de espinheira-santa (Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reissek e Maytenus aquifolia Mart.) e mata-olho (Sorocea bonpladii (Baill.) Burg. Lanj. & Boer.) para o controle de qualidade da matéria prima. Rev Bras Pl Med. 2003; 6(1): 84-96. [Link].
  13. Machado AV, Santos M. Morfo-anatomia foliar comparativa de espécies conhecidas como espinheira-santa: Maytenus ilicifolia (Celastraceae), Sorocea bonplandii (Moraceae) e Zollernia ilicifolia (Leguminosae). Insula. 2004; (33): 01-19. ISSN 0101-9554. [Link].
  14. Duarte MR, Debur MC. Stem and leaf morphoanatomy of Maytenus ilicifolia. Fitoterapia. 2055; 76: 41-49. [CrossRef].
  15. Joffily A, Vieira RC. Anatomia foliar de Maytenus Mol emend Mol (Celastraceae) ocorrente no Estado do Rio de Janeiro, Brasil. Acta Bot Bras. 2005; 19(3): 549-561. [CrossRef].
  16. Souza RS, Trindade IC, Mercadante-Simões MO, Duarte LP, Silva GDF et al. Laef morphoanatomy of the medicinal Maytenus imbricata (Celastraceae): na ecological approach. Bot Scienc. 2017; 95(4): 822-829. ISSN 2007-4476. [CrossRef].
  17. Carlquist S. Comparative Plant Anatomy. New York, Holt Rinehart and Winston; 1961.
  18. Dickison WC. Integrative Plant Anatomy. San Diego, Harcourt Academic Press; 2000.
  19. Calixto JB. Efficacy, safety, quality control, marketing and regulatory guidelines for herbal medicines (phytotherapeutic agents). Braz J Med Biol Res. 2000; 33:179- 189. [CrossRef].
  20. Reis MS. Manejo sustentado de plantas medicinais em ecossistemas tropicais. In: Di Stasi LC (Org.). Plantas medicinais: arte e ciência - Um guia de estudo interdisciplinar. São Paulo: USP. 1996; 198-214.
  21. Batistic MA, Auricchio, MT, Hoppen VR, Yamashita IY. Verificação da Qualidade e Identidade de chás medicinais. Rev do Inst Adolfo Lutz. 1989; 1: 45-49. Disponível em: [Link]. Acesso em: 11 abr 2014.
  22. Grauds C. Natural medicines in pharmacy texts, medical schools and government research. Pharm Times. 1996; 62: p.92. Disponível em: [Link]. Acesso em: 12 abr. 2014.
  23. Johansen DA. Plant Microtechniche. New York: McGraw Hill; 1940.
  24. Bukatsch F. Bemerkungenzum Doppelfarbung Astrablau-Safranin. Mickrokosmos. 1972; 61: 255.
  25. Metcalfe CR, Chalk L. Anatomy of the dicotyledons: leaves, stemand wood in relation to taxonomy with notes on economic uses. Claredon Press, Oxford.1950; 1(2): 387-97.
  26. Azevedo SKS, Silva MI. Plantas medicinais e de uso religioso comercializadas em mercados e feiras livres no Rio de Janeiro, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. 2006; 20(1): 185-194. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  27. Coulad-Cunha S, Oliveira RS, Waissmann W. Venda livre de Sorocea bomplandii Bailon como Espinheira Santa no município de Rio de Janeiro- RJ. Rev Bras Farma. 2004; 14(1): 51-53. [CrossRef].
  28. Caldas DKD, Matos WR. Identificação das Espécies Comercializadas como “Espinheira-Santa” em Comércios Populares do Grande Rio e Baixada Fluminense – RJ, Brasil. Uniciên. 2019; 23(1): 57-59. [Link].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2019 Revista Fitos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)