Etnobotânica aplicada a seleção de plantas medicinais para cultivos agroecológicos em comunidades rurais do Extremo Sul da Bahia, Brasil

Neto Galvão, M;
Villas Bôas, G d K;
Machado, M;
Silva, M F O d;
Boscolo, , O. H.

Marcelo Neto Galvão

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Tecnologia em Fármacos- Farmanguinhos, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde, Plataforma Agroecológica de Fitomedicamentos (CIBS/PAF), Av. Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP 22775-903, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

https://orcid.org/0000-0002-7450-3597

Doutor em Etnobotânica pelo Museu Nacional / Universidade Federal do Rio de Janeiro. Curador da Coleção Botânica de Plantas Medicinais de Farmanguinhos-FIOCRUZ. Botânico da Plataforma Agroecológica de Fitomedicamentos do Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS) / Farmanguinhos-FIOCRUZ. Atua em projetos e assessoria a projetos de pesquisa, desenvolvimento e inovação na área de fitomedicamentos e plantas medicinais através do Sistema Nacional das RedesFito em todo Brasil. Área de ênfase: Etnobotânica, Plantas Medicinais, Botânica Aplicada a PD&I em medicamentos da biodiversidade, Etnofarmacologia.

Glauco de Kruse Villas Bôas

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Tecnologia em Fármacos- Farmanguinhos, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), Av. Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP 22775-903, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Doutor em Ciências na área de Saúde Pública, Escola Nacional de Saúde Pública - ENSP/FIOCRUZ. Mestre em Gestão de Ciência e Tecnologia em Saúde, Escola Nacional de Saúde Pública – ENSP/Fiocruz. Graduado em Farmácia pela Universidade Federal do Rio de Janeiro, UFRJ. Tecnologista Sênior da Fundação Osvaldo Cruz - Ministério da Saúde. Atualmente é Coordenador do Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde – CIBS do Instituto de Tecnologia em Fármacos - Farmanguinhos/FIOCRUZ. Coordenador do Curso de Pós-Graduação Lato sensu em "Gestão da Inovação em Medicamentos da Biodiversidade" - EAD/ENSP - Farmanguinhos/Fiocruz. Coordenador e docente do Curso de Pós-Graduação Lato sensu em "Inovação em Fitomedicamentos". Coordenador do Sistema Nacional de Redes - RedesFito do conhecimento voltado para a inovação em medicamentos da biodiversidade. Atual Líder do Grupo de Pesquisa / CNPq "Inovação em medicamentos da biodiversidade" das linhas de pesquisa: conhecimento, aprendizado e informação na inovação em medicamentos da biodiversidade; inovação em medicamentos da biodiversidade; pesquisa e desenvolvimento (P&D) de medicamentos fitoterápicos e fitofármacos no enfoque ecossistêmico; políticas de ciência, tecnologia e inovação em saúde (CT&IS) na perspectiva da sustentabilidade; redes do conhecimento e inovação em medicamentos da biodiversidade. Atual Editor da área de inovação da Revista Fitos. Atual Coordenador do Grupo de Trabalho COVID-19 / CIBS - Farmanguinhos/Fiocruz.

Marilza Machado

Ministério Público do Estado da Bahia, Rua Sagrada Família, 154, Bela Vista, CEP 45990-903, Teixeira de Freitas, BA, Brasil.

Possui Bacharelado e Licenciatura Plena em Ciências Biológicas pela Universidade do Estado de Mato Grosso (2005), UNEMAT. Fez Especialização em Agricultura Familiar Camponesa e Educação no Campo (2008), também na Universidade. Atuando principalmente nos seguintes temas: Diversidade Sociocultural, Etnobiologia, Etnobotânica, Desenvolvimento Rural Sustentável, Agroecologia. Socioeconômica Solidária. Atua também no controle alternativo de pragas e doenças na produção de plantas hortícolas. Atuou em Educação Básica no Ensino de Ciências para alunos do Ensino Fundamental, Biologia e Química para os alunos do Ensino Médio e Cursos Pré-Vestibulares. Trabalhou com a cadeia produtiva do pequi e com produção de mudas de espécies nativas do cerrado de interesse econômico em área Indígena Paresi. Fez mestrado na UNESP (Universidade Estadual Paulista), Julio de Mesquita Filho, Campus de Botucatu (FCA). Realizou pesquisas com métodos de propagação sexuada e assexuada em plantas medicinais nativas e cultivadas. Participou do levantamento Etnobotânico com articulação em 9 comunidades no extremo Sul da Bahia no projeto Saúde popular e Agroecologia com plantas medicinais no Extremo Sul da Bahia. Atualmente atua em no projeto intitulado: Apoio técnico na recomposição da cobertura vegetal do extremo sul da Bahia e do norte do Espírito Santo, em apoio ao Programa Arboretum, com produção de sementes, mudas e plantios florestais de espécies nativas da Hileia baiana.

Marcus Felipe Oliveira da Silva

Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto de Tecnologia em Fármacos- Farmanguinhos, Centro de Inovação em Biodiversidade e Saúde (CIBS), Av. Comandante Guaranys, 447, Jacarepaguá, CEP, Rio de Janeiro, RJ, Brasil.

Odara Horta Boscolo

Universidade Federal Fluminense (UFF), Centro de Estudos Gerais, Instituto de Biologia, campus Valonguinho, Centro, CEP 20940-040, Niterói, RJ, Brasil.

Professora Associada da Universidade Federal Fluminense. Doutora em Etnobotânica pelo Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Mestre em Botânica pelo Museu Nacional/ Universidade Federal do Rio de Janeiro. Graduação em Ciências Biológicas pela Universidade Federal do Rio de Janeiro. Pós doutora em Evolução e adaptação de práticas alimentares pela Università degli Scienze Gastranomiche (Itália) e Universidade Federal de São João Del Rei (UFSJ). Coordenadora do Projetos PANC-UFF. Tem experiência na área de Botânica, com ênfase em Etnobotânica, Botânica Econômica e Taxonomia, atuando principalmente nos seguintes temas: plantas alimentícias, plantas medicinais, comunidades rurais, conhecimento tradicional, práticas alimentares, imigração, plantas rituais, PANC e propriedade intelectual. (Texto informado pelo autor)


Palavras-chave

Phytotherapy
Popular medicine
Sociobiodiversity
Traditional knowledge
Fitoterapia
Medicina popular
Sociobiodiversidade
Conhecimento tradicional

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo o levantamento etnobotânico de plantas medicinais para introdução em cultiivos agroecológicos em 9 comunidades rurais do extremo sul da Bahia, Brasil, como alternativa econômica e terapêutica para as populações locais. Foi solicitada a anuência prévia das comunidades e a pesquisa foi submetida a comitê de ética; foi realizado o registro de acesso ao patrimônio genético e conhecimento tradicional associado. Foram utilizadas as seguintes metodologias: observação participante, “bola de neve”, “caminhada na mata”; questionários semiestruturados e cálculo do índice de concordância de usos principais (CUPc). As espécies foram avaliadas de acordo com sua origem e grau de ameaça. Foram citadas 233 espécies, distribuídas em 73 famílias, com destaque para Asteraceae (27 spp.), Fabaceae (18 spp.) e Lamiaceae (16 spp.). Destas, 48% são nativas, 52% são naturalizadas e/ou exóticos e foi encontrada uma espécie vulnerável (Euterpe edulis Mart.) E uma ameaçada de extinção (Cariniana legalis (Mart.) Kuntze). O CUPc revelou 25 spp. com um valor igual ou superior a 50% em pelo menos uma comunidade. Espera-se que esses resultados contribuam na seleção de plantas medicinais que sirvam como alternativa econômica e terapêutica para comunidades vulneráveis, bem como no estímulo à preservação da sociobiodiversidade.


Referências

  1. Dorgioni PA, Ghedini PC, Fróes LF, Baptista KC, Ethur ABM, Baldisserotto B et al. Levantamento de dados sobre plantas medicinais de uso popular no município de São João do Polêsine, RS, no período de agosto de 1997 a dezembro de 1998 I – Relação entre enfermidades e espécies utilizadas. Rev Bras Pl Med. 2001; 4(1): 69-79. ISSN 1983-084X. [Link].
  2. Moraes MEA, Santana GSM. Aroeira-do-sertão: um candidato promissor para o tratamento de úlceras gástricas. Funcap 2001; 3: 5-6.
  3. Balbinot S, Velasquez PG, Düsman E. Reconhecimento e uso de plantas medicinais pelos idosos do Município de Marmeleiro - Paraná. Rev Bras Pl Med. 2013; 15(4-Supl.1): 632-638. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  4. Brasileiro BG, Pizzoiolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Rev Bras Ciên Farmac. 2008; 44(4): 629-636. ISSN 1516-9332. [CrossRef].
  5. Galvão MN, Pereira ACM, Goncalves-Esteves V, Esteves RL. Palinologia de espécies de Asteraceae de utilidade medicinal para a comunidade da Vila Dois Rios, Ilha Grande, Angra dos Reis, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. 2009; 23(1): 247-258. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Política Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Ministério da Saúde, Brasília. 2007. Available in: [Link]. Accessed in: 20 Jun. 2020.
  7. Brasil. ANVISA. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. RDC Nº 26, de 13 de maio de 2014. Dispõe sobre o registro de medicamentos fitoterápicos. ANVISA, Brasília. 2014. Available in: [Link]. Accessed in: 20 Jun. 2020.
  8. Machado FRS, Pinheiro R, Guizardi FL. As novas formas de cuidado integral nos espaços públicos de saúde. In: Pinheiro R, Mattos RA, orgs. Cuidado: as fronteiras da integralidade. Rio de Janeiro: IMS/UERJ – CEPESC – ABRASCO, 2006. 320p. ISBN: 85-89737-24-1. [Link].
  9. Fonseca-Kruel VS, Peixoto AL. Etnobotânica na Reserva Extrativista Marinha de Arraial do Cabo, RJ, Brasil. Acta Bot Bras. 2004; 18(1): 177-90. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  10. Almassy Jr AA. Análise das características etnobotânicas e etnofarmacológicas de plantas medicinais na comunidade de Lavras Novas, Ouro Preto - MG. Viçosa, 2004. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Fitotecnia] - Universidade Federal de Viçosa. Viçosa, 2004. [Link].
  11. Marodin SM, Baptista LRM. Plantas medicinais do Município de Dom Pedro de Alcântara, estado do Rio Grande do Sul, Brasil: espécies, famílias e usos em três grupos da população humana. Rev Bras Pl Med. 2002; 5(1): 1-9.
  12. Cunha, AS, Bortolotto IM. Etnobotânica de Plantas Medicinais no Assentamento Monjolinho, município de Anastácio, Mato Grosso do Sul, Brasil. Acta Bot Bras. 2011; 25(3): 685-698. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  13. Costa LCB, Moreira RCT, Costa RCS, Rocha EA. Abordagem Etnobotânica acerca do Uso de Plantas Medicinais na Vila Cachoeira, Ilhéus, Bahia, Brasil. Acta Farm Bonaer. 2002; 21(3): 205-11. ISSN 03262383. [Link].
  14. Cerqueira Neto SPG. Do isolamento geográfico a globalização: contradições sobre o desenvolvimento do Extremo Sul da Bahia. São Cristóvão, 2009. Tese de Doutorado [Programa de Pós-Graduação em Geografia] - Universidade Federal de Sergipe. São Cristóvão, 2009.
  15. Villas-Bôas, GK, Galvão MN, Machado M, Magalhães-Fraga SAP. Conhecimento popular de plantas medicinais do extremo sul da Bahia. São Paulo: Expressão Popular; 2018. ISBN: 9788577433452.
  16. Bernard HR. Research Methods in Antropology: Qualitative and Quantitative Approachs. Oxford: AltaMira Press; 1995. ISBN 0759108684. [Link].
  17. Marconi MA, Lakatos EM. Fundamentos de Metodologia Científica. São Paulo: Atlas; 2003. ISBN: 9788597010763.
  18. Phillips O, Gentry AH. The Useful Plants of Tamboapata, Peru: II Additional Hypothesis Testing in Quantitative Ethnobotany. Economic Bot. 1993; 47(1): 33-43. ISSN-1874-9364. [Link].
  19. Alexiades MN. Collecting ethnobotanical data: An introduction to basic concepts and techniques. In: Alexiades, M.N. editor. Selected guidelines for ethnobotanical research: a field manual. Nova York: New York Botanical Garden; 1996. p. 54-93. ISBN: 978-0893274047.
  20. Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Available in: [Link] Accessed in: 23 march 2020.
  21. APG IV. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG IV. Bot J Linn Society. 2016; 181(1): 1-20. ISSN 024-4074. [CrossRef].
  22. Base de Dados do Centro Nacional de Conservação da Flora (CNCFlora). Instituto de Pesquisas Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2020. Available in: [Link]. Accessed in: 23 march 2020.
  23. Friedman J, Yaniv Z, Dafni A, Palewitch D. A preliminary classification of the healing potential of medicinal plants, based on a rational analysis of an ethnopharmacological field survey among bedouins in the Negev desert, Israel. J Ethnopharmacol. 1986; 16(2-3): 275-287. ISSN 0378-8741. [CrossRef].
  24. Brasil. Ministério da Saúde. Relação de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS (Renisus). Ministério da Saúde, Brasília. 2006. Available in: [Link]. Accessed in: 20 Jun. 2020.
  25. Guarim Neto G, Morais RG. Recursos medicinais de espécies do Cerrado de Mato Grosso: Um estudo Bibliográfico. Acta Bot Bras. 2003; 17(4): 561-584. ISSN 0102-3306. [CrossRef].
  26. Galvão MN, Esteves RL. Plantas Medicinais utilizadas pela Comunidade de Vila Dois Rios, Ilha Grande, Rio de Janeiro, Brasil. Bradea. 2007; 12: 1-10. ISSN 0084-800X.
  27. Viu AFM, Viu MAO, Campos LZO. Etnobotânica: uma questão de gênero? Rev Bras Agroecol. 2010; 5: 138-147. ISSN 1980-9735. [Link].
  28. Melo S, Lacerda VD, Hanazaki N. Espécies de restinga conhecidas pela comunidade do Pântano do Sul, Florianópolis, Santa Catarina, Brasil. Rodriguésia. 2008; 59(4): 799-812. ISSN 2175-7860. [CrossRef].
  29. Bandeira FP. Etnobotânica, educação e desenvolvimento local. In: Anais do 59º Congresso Nacional de Botânica: Atualidades, desafios e perspectivas da botânica no Brasil. Natal: SBB; 2008.
  30. Alves EO, Mota JH, Soares TS, Vieira MC, Silva, CB. Levantamento etnobotânico e caracterização de plantas medicinais em fragmentos florestais de Dourados-MS. Ciên Agrotec. 2008; 32(2): 651-658. ISSN 1981-1829. [CrossRef].
  31. Boscolo OH, Galvão MN. Levantamento etnobotânico de plantas ornamentais em duas comunidades da região serrana do Rio de Janeiro: implicações sobre conservação. Diversidade e Gestão. 2019; 3(1): 02-12. e-ISSN 2527-0044. [Link].
  32. Boscolo OH, Galvão MN. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em duas comunidades da região serrana do Rio de Janeiro, Brasil. Rev Fitos. 2019; 13(3): 212-231. ISSN 1808-9569. [CrossRef].
  33. Bortolotto IM. Plantas, Povos e Paisagens: Estudos de Casos no Pantanal Sul-Mato-Grossense. In: Barbosa LM, Júnior NAS orgs. A botânica no Brasil: pesquisa, ensino e políticas públicas ambientais. São Paulo: Sociedade Botânica do Brasil. 2007; p. 23-227. ISBN: 9788560428014.
  34. Bennett BC, Prance GT. Introduced plants in the indigenous pharmacopoeia of Northern South America. Econ Bot. 2000; 54: 90-102. ISSN-1874-9364. [CrossRef].
  35. Dias, DNDL. Cultura do eucalipto na região extremo sul da Bahia e seus impactos. Rev Cient Mult Núcleo Conhec. 2019; Ano 4. Ed. 7. Vol. 3: 57-68. ISSN 2448-0959. [Link]. [CrossRef].
  36. Alves GSP, Povh JÁ. Estudo etnobotânico de plantas medicinais na comunidade de Santa Rita, Ituitaba-MG. Rev Biotemas. 2013; 26(3): 232-242. eISSN 2175-7925. [CrossRef].
  37. Roque AA, Rocha RM, Loiola MIB. Uso e diversidade de plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). Rev Bras Pl Med. 2010; 12(1): 31-42. ISSN 1516-0572. [CrossRef].
  38. Pilla MAC, Amorozo MCM, Furlan A. Obtenção e uso das plantas medicinais no distrito de Martim Francisco, Município de Mogi Mirim, SP, Brasil. Acta Bot Bras. 2006; 20(4): 789-802. ISSN 1677-941X. [CrossRef].
  39. Chaves MS, Dantas FM, Fontes LS, Chaves RS, Kinupp VF. Etnobotânica em uma comunidade ribeirinha do Careiro Castanho, AM, Brasil. Cad Agroecol. VII Congresso Brasileiro de Agroecologia – Fortaleza. 2011; 6(2). ISSN 2236-7934. [Link].
  40. Santilli J. Agrobiodiversidade e direitos dos agricultores. 1ª ed. São Paulo: Editora Peirópolis; 2009. 520p. ISBN-13: 978-8575961575.
  41. Ethur LZ, Jobim JC, Ritter JG, Oliveira G, Trindade BS. Comércio formal e perfil de consumidores de plantas medicinais e fitoterápicos no município de Itaqui – RS. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(2): 121-128. ISSN 1516-0572. [CrossRef].

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2021 Revista Fitos

Artigos Semelhantes

Você também pode iniciar uma pesquisa avançada por similaridade para este artigo.