Uso de plantas medicinais por usuários da Atenção Primária à Saúde em Mossoró/RN: contribuição para profissionais prescritores

Vale , C M G C d;
Freitas , V F d;
Silva , A R d S;
Rocha , M T;
Casimiro , L d Q;
Borges , L H M U;
Lima , E K F;
Câmara , C C;
Brito, , T. S. d.

Clara Maria Germano Cidrack do Vale

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Atualmente é da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Tem experiência na área de Medicina.

Telefone: 85986274919

http://lattes.cnpq.br/3139482513053940

Vitoria Fior de Freitas

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Ensino-medio-segundo-graupelo Centro Educacional SESI-422(2014).

Telefone: 19 99239-2671

http://lattes.cnpq.br/6027189795001917

Adria Raiane de Souza Silva

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Graduanda em Medicina pela UFERSA - Campus Mossoró/RN. Técnica de Nível Médio em Agroecologia pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte - Campus de Ipanguaçu. Tendo experiência na área de Agronomia, com ênfase em produção de base ecológica. Graduada em Engenharia Civil pela Universidade Potiguar - Campus Mossoró/RN. 

Telefone: 84 99818-0528

http://lattes.cnpq.br/8523343311654305

Murilo Tomaz Rocha

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Graduando do curso de Medicina da Universidade Federal Rural do Semi-Árido. Técnico em Informática pelo Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Norte. Possui experiência na participação e coordenação de ações e projetos e apresentações em eventos.

Telefone: 84 99853-0881

http://lattes.cnpq.br/7278011939099957

Laura de Quadros Casimiro

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Graduanda do Curso de Medicina na Universidade Federal Do Semi-Árido (UFERSA).

Telefone: 85 98786-4995

http://lattes.cnpq.br/4835245092967527

Lucas Henrique Mendonca Uchoa Borges

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Graduando do curso de medicina da Universidade Federal Rural do Semi-Árido do Rio Grande do Norte (UFERSA).

Telefone: 84 99672-8166

http://lattes.cnpq.br/9652546778339251

Emanuel Kennedy Feitosa Lima

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Centro de Ciências Biológicas e da Saúde (CCBS),Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Professor Adjunto do curso de Medicina da Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA) atuando no módulo de Bases Morfofisiofarmacológicas. Possui graduação em Fisioterapia pela Faculdade Nordeste (2005-2009). Especialização em Fisioterapia Cardiovascular e Reabilitação pela Fanor (2010-2012). Mestrado em Ciências Fisiológicas (Fisiologia) pelo Instituto Superior de Ciências Biomédicas da Universidade Estadual do Ceará (2010-2012 - UECE). Doutor em Ciências Morfológicas pelo Instituto de Ciências Biomédicas (ICB) da Universidade Federal do Rio e Janeiro (2012 - 2016 - UFRJ) com período sanduíche no Departamento de Farmacologia Molecular da University of Groningen - Holanda (2015-2016). Pós-doutorado pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (2016-2017 - UFRJ). Atualmente é Docente permanente no Programa de Pós-graduação em Bioquímica e Biologia Molecular (UERN). Desenvolve atividades de pesquisa na área de inflamação, estresse oxidativo e reparo tecidual em Doenças Pulmonares, principalmente na investigação produtos bioativos com atividade farmacológica na Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC). 

Telefone: 85 99686-0815

http://lattes.cnpq.br/7090792150729352

Carlos Campos Câmara

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Medicina Veterinária, Laboratório de Farmacologia Biofísica e Fisiologia. BR 110 - KM 47. Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Possui graduação em Medicina Veterinária pela Universidade Estadual do Ceará e mestrado e Doutorado em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará. Atualmente é professor de fisiologia e farmacologia, efetivo da Universidade Federal Rural do Semi-Árido onde trabalhou coordenando o biotério (criatorio de animais experimentais). No mestrado desenvolveu estudo com plantas medicinais em sistema cardiovascular. No doutorado desenvolveu estudos com dor neuropática, degeneração e regeneração de nervo periférico. Realizou pós-doutorado na Universidade Federal do Ceará onde trabalhou com cultura de celulas intestinais.

Telefone: 85 99732-2261

http://lattes.cnpq.br/2324710721164042

Teresinha Silva de Brito

Universidade Federal Rural do Semi-Árido (UFERSA), Departamento de Ciências da Saúde (DCS). Av. Francisco Mota, 572, Bairro Presidente Costa e Silva, CEP 59625-900, Mossoró, RN, Brasil.

Possui Graduação em Farmácia pela Universidade Federal do Ceará (2010), Mestrado em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará (2012) e Doutorado em Farmacologia pela Universidade Federal do Ceará (2015). Foi Professora Substituta da Disciplina de Fisiologia Humana da Faculdade de Medicina da UFC (2016). Foi Professora Substituta da Disciplina de Farmacologia do Departamento de Fisiologia e Farmacologia da UFC (2017). Foi professora de Farmacologia e Assistência Farmacêutica da Faculdade Maurício de Nassau - Natal (2018). Atualmente é professora Adjunta do Departamento de Ciências da Saúde - Faculdade de Medicina da Universidade Federal Rural do Semi Árido. Tem experiência na área de Farmacologia e Fisiologia, com ênfase em Músculo Liso, atuando principalmente com produtos naturais de origem vegetal, farmacologia do músculo liso vascular e respiratório e Etnofarmacologia de plantas medicinais.

Telefone: 85 99748-8518

http://lattes.cnpq.br/0578578397972249


Palavras-chave

Medicinal plants
Phytotherapy
Ethnopharmacology
Primary health care
Plantas medicinais
Fitoterapia
Etnofarmacologia
Atenção primária à saúde

Resumo

O objetivo deste trabalho foi analisar o uso de plantas medicinais por usuários da Atenção Primária à Saúde em Mossoró, RN, Brasil. Foi feito um levantamento através de entrevistas com questionário semiestruturado a 100 participantes, dos quais 84% afirmaram utilizar plantas medicinais, principalmente para afecções do sistema digestivo, respiratório e para transtornos mentais e comportamentais. Foram mencionadas 54 espécies vegetais, destacando-se boldo (Plectranthus barbatus e Peumus boldus), hortelã (Mentha spp.), erva cidreira (Lippia alba e Melissa officinalis), capim santo (Cymbopogon citratus), camomila (Matricaria chamomilla) e malvarisco (Plectranthus amboinicus). A espécie com maior valor de uso foi Cymbopogon citratus e transtornos mentais e comportamentais a categoria de maior consenso entre os informantes.  A parte da planta mais utilizada foi a folha, e a principal forma de uso, o chá. A maioria das espécies medicinais relatadas estão descritas em compêndios oficiais, como o Formulário de Fitoterápicos e Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira. O conhecimento sobre plantas medicinais validadas é útil para os profissionais prescritores na orientação do uso racional e correto desses remédios, principalmente porque a maioria dos participantes utiliza preparação caseira.


Referências

  1. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Práticas integrativas e complementares: plantas medicinais e fitoterapia na Atenção Básica. Brasília; 2012. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 mar. 2020.
  2. Feijó AM, Bueno MEN, Ceolin T, Linck CL, Schwartz E, Lange C, Meincke, SMK et al. Plantas medicinais utilizadas por idosos com diagnóstico de Diabetes mellitus no tratamento dos sintomas da doença. Rev Bras Pl Med. 2012; 14(1): 50-56. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  3. Gonçalves MMM, Cajaiba RL, Santos WB, Sousa ES, Martins JSC, Pereira KS et al. Estudo etnobotânico do conhecimento e uso de plantas medicinais em Santa Luzia, Maranhão, Brasil. Rev Ibero Amer Ciên Amb. 2018; 9(5): 12-21. ISSN 2179-6858. [CrossRef].
  4. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Assistência à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares no SUS: PNPIC-SUS (Série B. Textos Básicos de Saúde). Brasília; 2006. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 mar. 2020.
  5. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira. Brasília; 2011b. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 mar. 2020.
  6. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica. Programa Nacional de Plantas Medicinais e Fitoterápicos. Brasília; 2009. Disponível em: [Link]. Acesso em: 20 mar. 2020.
  7. Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Assistência Farmacêutica e Insumos Estratégicos. RENISUS - Relação Nacional de Plantas Medicinais de Interesse ao SUS. Brasília; 2009. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  8. Brasil. Ministério da Saúde. Portaria Nº 886, de 20 de abril de 2010. Institui a Farmácia Viva no âmbito do Sistema Único de Saúde. Diário Oficial da União, Brasília – DF. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  9. Brasil. Ministério da Saúde. Relação Nacional de Medicamentos Essenciais: RENAME 2020. Brasília; 2020. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  10. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Formulário de Fitoterápicos da Farmacopeia Brasileira (Primeiro Suplemento). Brasília; 2018. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  11. Brasil. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Memento Fitoterápico da Farmacopeia Brasileira. 1ª ed. Brasília; 2016. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  12. DATAPLAMT. Banco de dados e amostras de plantas aromáticas, medicinais e tóxicas da UFMG. Disponível em: [Link]. Acesso em: 22 jun. 2020.
  13. Matos FJA. Farmácias Vivas: sistema de utilização de plantas medicinais projetado para pequenas comunidades. 4ª ed. rev. e ampl. Fortaleza: UFC; 2002. ISBN: 85-7282-008-6.
  14. Organização Mundial de Saúde (OMS). ICD-10: International Classification of Diseases and Related Health Problems. 10th Revision. 2016. Disponível em: [Link]. Acesso em: 03 abr. 2020.
  15. Trotter R, Logan M. Informant consensus: a new approach for identifying potentially effective medicinal plants. p. 91-112. In: Etkin NL. (Ed). Indigenous medicine and diet: biobehavioral approaches. Redgrave Bedford Hills, New York. 1986.
  16. Albergaria ET, Silva MV, Silva AG. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais em comunidades rurais do município de Lagoa Grande, Pernambuco, Brasil. Rev Fitos. 2019; 13(2): 137-154. ISSN 2446-4775. [CrossRef].
  17. Brasileiro BG, Pizziolo VR, Matos DS, Germano AM, Jamal CM. Plantas medicinais utilizadas pela população atendida no “Programa de Saúde da Família”, Governador Valadares, MG, Brasil. Rev Bras Ciênc Farm. 2008; 44(4): 629-36. ISSN 1809-4562. [CrossRef].
  18. Ethur LZ, Jobim JC, Ritter JG, Oliveira G, Trindade BS. Comércio formal e perfil de consumidores de plantas medicinais e fitoterápicos no município de Itaqui - RS. Rev Bras Pl Med. 2011; 13(2): 121-8. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  19. Colet CF, Cavalheiro CAN, Molin GTD, Cavinatto AW, Schiavo M., Schwambach KH et al. Uso de plantas medicinais por usuários do serviço público de saúde do município de Ijuí/RS. Rev Bras Med Fam Comunidade. 2015; 10(36): 1-13. ISSN 2179-7994. [CrossRef].
  20. Silveira PF, Bandeira MAM, Arrais PSD. Farmacovigilância e reações adversas às plantas medicinais e fitoterápicos: uma realidade. Rev Bras Farmacogn. 2008; 18(4): 618-626. ISSN 1981-528X. [CrossRef].
  21. Lopes MA, Nogueira IS, Obici S, Albiero ALM. Estudo das plantas medicinais, utilizadas pelos pacientes atendidos no programa “Estratégia saúde da família” em Maringá/PR/Brasil. Rev Bras Pl Med. 2015; 17(4): 702-706. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  22. Santos JX, Reis ARS, Matos AS, Leão FM, Carvalho JC. Caracterização etnobotânica de essências florestais com fins medicinais utilizadas pela Etnia Xipaya, no município de Altamira/PA. Biota Amaz. 2016; 6(2): 1-8. ISSN 2179-574. [CrossRef].
  23. Silva WB, Cajaiba RL, Parry MM. Levantamento etnobotânico de plantas medicinais utilizadas pelos moradores do município de Uruará, estado do Pará, Brasil. Rev Cuba Pl Med. 2018; 29(1): 115-131. ISSN 1028-4796.
  24. Mosca V & Loiola MI. Uso popular de plantas medicinais no Rio Grande do Norte, Nordeste do Brasil. Rev Caat. 2009; 22(4): 225-234. ISSN 1983-2125.
  25. Paulino RC, Henriques GPSA, Coelho MFB, Araújo PVN. Riqueza e importância das plantas medicinais do Rio Grande do Norte. Rev Biol Ciên Terra. 2011; 11(1): 157-168. ISSN 1519-5228.
  26. Freitas AVL, Coelho MFB, Pereira YB, Freitas Neto EC, Azevedo RAB. Diversidade e usos de plantas medicinais nos quintais da comunidade de São João da Várzea em Mossoró, RN. Rev Bras Pl Med. 2015; 17(4): 845-856. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  27. Chaves EMF, Barros RFM. Diversidade e uso de recursos medicinais do carrasco na APA da Serra da Ibiapaba, Piauí, Nordeste do Brasil. Rev Bras Pl Med. 2012; 14(3): 476-486. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  28. Kringstein, P, Cederbaum AI. Boldine prevents human liver microsomal lipid peroxidation and inactivation of cytochrome P4502E1. Free Radic Biol Med. 1995; 18: 559-563. ISSN 0891-5849. [CrossRef] [PubMed].
  29. Alasbahi R, Melzig M. Plectranthus barbatus: A Review of Phytochemistry, Ethnobotanical Uses and Pharmacology – Part 1. Pl Med. 2010; 76(07): 653-661. [CrossRef] [PubMed].
  30. Costa MCCD. Uso popular e ações farmacológicas de Plectranthus barbatus Andr. (Lamiaceae): Revisão dos trabalhos publicados de 1970 a 2003. Rev Bras Pl Med. 2006; 8(2): 81-8. ISSN 1983-084X.
  31. Battistin A, Almeida ALSM., Nogueira LD, Pasquetti MV, Gonçalves RS, Fermino MH et al. Caracterização citogenética para identificação dos níveis de ploidia em cinco espécies do gênero Mentha L. Rev Bras Pl Med. 2013; 15(4): 684-691. ISSN 1983-084X. [CrossRef].
  32. Bruning MCR, Mosegui GBG, Vianna CMM. A utilização da fitoterapia e de plantas medicinais em unidades básicas de saúde nos municípios de Cascavel e Foz do Iguaçu - Paraná: a visão dos profissionais de saúde. Cien Saude Colet. 2012; 17(10): 2675-2685. ISSN 1678-4561. [CrossRef].
  33. Mcintyre E, Saliba, AJ, Moran, CC. Herbal medicine use in adults who experience anxiety: A qualitative exploration. Int J Qual Stud Health Well-being. 2015; 10(1): 1-11. [CrossRef] [PubMed].
  34. World Health Organization (WHO). Depression and Other Common Mental Disorders: Global Health Estimates. Geneva. 2017. Disponível em: [Link]
  35. Moreira FV, Bastos JFA, Blank AF, Alves PB, Santos MRV. Chemical composition and cardiovascular effects induced by the essential oil of Cymbopogon citratus DC. Stapf, Poaceae, in rats. Rev Bras Farmacogn. 2010; 20(6): 904-909. ISSN 1981-528X. [CrossRef].
  36. Baracuhy JGF, Furtado DA, Francisco PRM, Lima JLS, Pereira JPG. Plantas Medicinais de Uso comum no Nordeste do Brasil. 2nd ed. Campina Grande: EDUFCG; 2016. ISBN: 9788580011630.

Creative Commons License
Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution 4.0 International License. Copyright (c) 2019 Revista Fitos